Onde comer (mesmo) bem no Porto? | 1ª parte


Vocês sabem que eu costumo ser um bocadinho (só mesmo um cadinho) acelerado, daqueles que engatam dois ou três trabalhos e as semanas umas nas outras... mas também gosto de desligar!
Sim sim, desligar o chip, nem que seja por um dia, e desfrutar das coisas boas da vida, das pessoas, dos dias solarengos e, claro, da melhor comida! Que seria de mim sem boa comida 🙄
Pois... e é só por isso que hoje quero partilhar convosco dois locais onde se come que dá gosto! 
Sim... vocês podem escolher restaurantes com estrelas Michelin, restaurantes típicos, ou até tasquinhas daquelas onde se come o melhor peixinho fresco ou até, porque não, umas boas tripas!
Mas não foi o caso. 
Para almoçar, decidi visitar o Cocorico, que se encontra na rua Duque de Loulé; deixem que destaque a facilidade em estacionar; para quem não conhece bem, encontra-se muito pertinho da Ponte do Infante. O espaço é muito agradável, faz lembrar os elegantes restaurantes parisienses com um pé direito considerável (não sei se alguma vez vos falei da minha paixão por arquitetura... mas fica para uma próxima), uma decoração elegante, com a quantidade de luz necessária para que a refeição seja tranquila;  música ambiente de qualidade, principalmente porque adoro versões acústicas e com vozes femininas dos melhores êxitos internacionais de música pop.
Mas vamos lá à comida! Acabámos por aceitar a sugestão do chef, e deixámos que nos apresentassem o que de melhor havia; esperava-nos um cesto de pão acabado de sair do forno, crocante, quentinho e cheiroso, que acabou por ser lambuzado com uma deliciosa manteiga, daquela salgadinha de que eu tanto gosto! Bem, poderia pensar que tinham andando a sondar os meus gostos, mas a verdade é que reservei com 30 minutos de antecedência e tenho a certeza de que não lhes deu tempo!
Seguiu-se uma cavala curada com paté de cogumelos e puré de beterraba como entrada... súper fresca, e eu sou daqueles que opinam que os peixes menos nobres devem ser valorizados! Depois, como prato principal, um carré de borrego com crosta de ervas, puré de couve-flor e molho de vinho do Porto; ai, que a carne derretia-se na boca e o puré estava tão suave que não foi fácil conter-me para não passar o pão... 
Mas falemos do melhor momento: a sobremesa!! Mil folhas de maçã... Ai! A massa folhada tão crocante, com um recheio de maçã caramelizada e uma mousse de mascarpone com um toque de citrinos; comia mais um, se não tivesse vergonha! A apresentação dos pratos muito cuidada, quantidades razoáveis, preços adequados. Tal como sugerido, acompanhámos a entrada com um Rosé e a carne com um tinto do Douro, só um copinho de cada, claro, que a pessoa aqui tinha de conduzir.
No final, dei ainda uma volta pelo restaurante; um recanto da sala tem vista para a cozinha, organizada e pouco ruidosa; vocês já sabem que eu sou muito cusco nestas coisas! Aproveitei também para dar uma espreitadela ao pátio ao ar livre onde se pode também almoçar, mas estava bem fresco, será melhor experiênciá-lo mais na primavera.
O restaurante faz parte de uma Guest-house com 10 suites, decoração e estilo inspirado em França, e serve ainda um brunch ao domingo, pelo preço de 20€.
Resumindo, comida excelente, serviço cuidado, ambiente tranquilo e agradável; experiência a repetir.

Deixo-vos com algumas fotos. Se decidirem almoçar ou jantar no Cocorico, não hesitem em convidar-me ;)




Sem comentários

Enviar um comentário

Deixe aqui o seu comentário