Raviolis de cacau com requeijão e manteiga avelã


No mês passado estive presente no Festival Internacional de Chocolate de Óbidos e, para quem não pode assistir ao meu showcooking, hoje trago-vos uma das receitas: estes deliciosos raviolis com um travo de chocolate, recheados com o melhor requeijão e um molho que tem tanto de simples quanto de delicioso... 
Vá, e não me venham com aquela do "ah, fazer massa em casa dá tanto trabalho..."!

INGREDIENTES para a massa
170 gramas de farinha tipo 65 sem fermento
30 gramas de cacau
2 ovos médios
Farinha para polvilhar

Para o recheio
1 requeijão de vaca light (utilizo este)
1 colher de copa de mel

Para o molho
150 gramas de manteiga de vaca

PREPARAÇÃO
Peneire a farinha juntamente com o cacau para um recipiente. Forme um vulcão no centro e adicione os ovos, ligeiramente batidos
Vá integrando a farinha nos ovos, com a ajuda de uma mão. Misture bem, até obter uma massa homogénea. Caso necessário, adicione uma colher de sopa de água, mas tenha em atenção que se pretende uma massa bem dura.
Forme uma bola, embrulhe com película aderente e deixe repousar, a temperatura ambiente, durante cerca de 20 minutos.
Divida a massa em 6 porções e, com o rolo de cozinha ou com a ajuda de uma máquina de esticar massa, estenda cada uma o mais fina que conseguir, formando um retângulo alongado, polvilhando com farinha sempre que necessário.
Misture o requeijão com o mel e, ajudando-se de um saco pasteleiro ou com duas colheres, distribua pequenas porções sobre a massa, deixando uma margem de 3 a 4 cm entre cada. Pincele com um pouco de água ao redor do recheio.
Sobreponha outra “folha” de massa, e faça alguma pressão à volta do recheio, de forma a que ambas camadas de massa fiquem bem seladas.
Corte com um corta-massas, ou utilizando um molde redondo ou quadrado, como preferir. Repita o processo para toda a massa e recheio.  Polvilhe com farinha e reserve.
Entretanto, coloque uma panela ao lume com água abundante e um punhado de sal.
Deixe ferver, adicione os raviolis e deixe cozer por cerca de 2 minutos. Retire para um prato.
Para o molho, coloque a manteiga numa caçarola e deixe derreter.
Vá mexendo, em fogo médio, até que a manteiga obtenha uma cor dourada, e liberte aroma a frutos secos.

Sirva os raviolis regados com a manteiga e salpique com ervas aromáticas frescas.










Salame de chocolate com pimenta rosa


Não há Páscoa sem  pão de ló, nem amêndoas ou bolos de gema, mas também não há páscoa sem salame de chocolate, como nos tempos em que eu gostava destas celebrações e ajudava, freneticamente, a minha mãe nas tarefas da cozinha, para que os visitantes repetissem, ano após ano, o quão bonita a nossa mesa estava, e que delicioso era tudo!
Pois, regresso, agora com outros ideais, mas com a mesma vontade de apresentar uma mesa bonita, repleta de guloseimas caseiras, deliciosas!

INGREDIENTES
200 gr de chocolate negro
200 gr de bolacha tipo Maria
100 gr de manteiga sem sal
50 gr de açúcar
1 ovo (opcional)
1 colher de chá de pimenta rosa em grão
Açúcar em pó q.b para polvilhar

PREPARAÇÃO
Parta o chocolate para uma taça de vidro ou loiça.
Adicione a manteiga em pedaços e leve ao micro-ondas ou a banho-maria, até derreter.
Retire, misture bem, adicione a pimenta, o açúcar e o ovo e volte a misturar. Reserve.
Coloque as bolachas dentro de um saco de plástico limpo e dê algumas pancadas com o rolo da massa ou, como alternativa, corte-as em pedaços com a ajuda de uma faca. Pretendem-se pedaços, e não farinha.
Adicione as bolachas à mistura do chocolate e envolva bem com uma espátula.
Coloque tudo no centro de uma folha de papel vegetal, formando um retângulo estreito.
Una as extremidades do papel vegetal e enrole, formando um chouriço bem compacto.
Embrulhe com película aderente e leve ao frio, a solidificar, durante duas a três horas.
Retire a película e o papel vegetal e polvilhe generosamente o salame com açúcar em pó.
Para dar um ar mais engraçado, ate o salame com fio de cozinha, imitando um verdadeiro chouriço.





Era uma vez...


Quem escondeu o Ovo da Páscoa?

Era uma vez um coelho muito pequeno e saltitão que vivia dentro de um grande ovo da Páscoa.  Todos os anos, o pequeno coelho distribuía as delícias da Páscoa.
Espalhava ovos pelo chão, amêndoas pelas árvores e pendurava chocolates nos arbustos.
Mas quando estava a terminar percebeu que lhe faltava um ovo. Começou, então, à procura do ovo perdido.
Procurou junto às amêndoas que já tinha distribuído para ver se estava lá mas não encontrou!
Procurou na despensa, ao pé das bolachinhas deliciosas e crocantes, mas também não encontrou.
Entre os produtos mais saudáveis o coelho continuou a procurar e a nada encontrar!
Procurou na garrafeira junto aos vinhos, que os gigantes de duas pernas tanto gostam, mas o ovo perdido também não estava lá!
Entre os frescos mais frescos o coelho continuou a procurar;
Queijos e enchidos, fruta e folares foi o que o coelho encontrou.
Procurou debaixo da mesa e não encontrou, mas reparou que gira que estava, até tinha coelhinhos como ele espalhados por ela!
No meio das panelas e chaleiras ele continuou a procurar sem nunca desistir!
Viu debaixo da cama, dentro do roupeiro e o ovo não estava em lado nenhum.
Experimentou procurar no jardim, ao pé das plantas coloridas e perfumadas. Tinha a certeza que o ovo ia estar aí, mas não estava.
A esperança estava no armário dos brinquedos! Entre peluches e carrinhos o coelho continuou a procurar.
Já a ficar sem fôlego, o coelho não desistiu e partiu para a estante dos livros. O ovo tinha de lá estar!
Estaria escondido dentro de uma mala? O coelho lá procurou mas não encontrou.
Começava a ficar sem ideias! Viu dentro do roupeiro cheio de esperança mas não aparecia em lado nenhum!
Achou pouco provável que estivesse junto da maquilhagem, mas mesmo assim tentou. E não encontrou!
Foi então que percebeu que, se queria o ovo encontrar, no Continente tinha de procurar!

Pão de ló cremoso | e os melhores ovos


Hoje damos as boas-vindas à primavera, e esperamos, ansiosos, pela Páscoa! Pois... não, eu não me estou a contradizer, continuo a não dar importância a este tipo de celebrações, mas a verdade é que posso sempre recorrer à Páscoa como desculpa para fazer mais uns bolinhos; não sei se me faço entender 🤣
E bolinhos bons é com ovos biológicos! Que luxo, ter galinhas em casa  (quer dizer, no galinheiro... que eu gosto de pouco barulho ao acordar)! 
Quem não tem galinhas, não desesperem! O Continente pensa em tudo! E lançou uns ovos biológicos que são uma maravilha! Até a cor da gema fala por eles! A consistência, o sabor... ai, que pão de ló tão cremosinho que eu vos trago hoje:

INGREDIENTES
8 gemas de ovos biológicos
2 ovos inteiros
125 gramas de açúcar
60 gramas de farinha sem fermento

PREPARAÇÃO
Ligue o forno nos 200º.
Forre uma forma com 20 cm de diâmetro com uma folha de papel almaço. Reserve.
Coloque os ovos inteiros, as gemas e o açúcar na taça da batedeira.
Bata, na velocidade máxima, durante 10 a 15 minutos, até obter um creme fofo, volumoso e esbranquiçado. Um truque para saber se está batido o suficiente, é levantas as varas da batedeira; se, o fio da gemada que cair, se mantiver na superfície durante alguns segundos, está pronto! Ou seja, deverá conseguir escrever com a gemada.
Coloque um coador ou peneira sobre a taça e adicione a farinha.
Envolva, cuidadosamente, com a ajuda de uma espátula de silicone, indo bem até ao fundo da taça, para evitar que fique farinha depositada.
Verta na forma e deixe cozinhar durante cerca de 15 minutos.
Retire o bolo para cima de uma grelha e deixe arrefecer, dentro da forma, durante cerca de 5 minutos. Deixe, então, arrefecer completamente fora da forma, para evitar que o papel da base acumule humidade.

DICAS
Pode utilizar papel cavalinho A3 (aqueles blocos maiores que os pequenos utilizam em Educação Visual). Em alternativa, pode utilizar-se papel vegetal, mas sempre como última opção, pois é muito mais delicado.
O tempo de cozedura variam consoante o nosso gosto pessoal. Se gostar do pão de ló menos cremoso, dê mais alguns minutos no forno.





Doce de leite | na Yämmi


Foi já tarde que entrei no mundo dos vícios... e este ganhei-o quando fui viver para Andorra. Tinha colegas argentinos, completamente viciados em "alfajores" e doce de leite... e, reconheço publicamente, foi provar uma vez e render-me para toda a vida!
Não consumo todos os dias, nem todas as semanas, mas quando apanho um frasquinho, ele vai num instante, nem dou tempo de alguém contar a história! 😊
E é curioso como com estes três ingredientes conseguimos preparar uma bomba deste nível! Ideal para comer à colherada mas também, se forem mais subtis do que eu, rechear bolos ou bolachas...
Vá, deixemo-nos de tretas... quero saber quantos viciados em doce de leite temos desse lado!

INGREDIENTES
1 litro de leite gordo
350 gramas de açúcar
1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de extrato de baunilha - opcional

PREPARAÇÃO | NA YÄMMI
Coloque todos os ingredientes no copo.
Programe 45 minutos, função Vapor e velocidade 6.
Substitua o copo de medida da tampa pelo cesto.
Distribua o doce de leite, ainda quente, por frascos de vidro esterilizados e conserve no frio.
A consistência é semi líquida, mas espessa ao arrefecer.

PREPARAÇÃO | NA PANELA
Coloque todos os ingredientes numa panela.
Leve ao lume, em fogo médio, e não arrede o pé! Se deixar de mexer, o leite vem mesmo por fora!
Deixe cozinhar por cerca de uma hora.
Distribua o doce de leite, ainda quente, por frascos de vidro esterilizados e conserve no frio.

DICAS
É importante respeitar a velocidade, pois numa velocidade mais baixa (experiência própria), o leite vem por fora.






Os pudins da avó


Não são os pudins da minha avó, ela nunca fazia doces! Preparava maravilhosos almoços que poderia agora caracterizar, como está na moda, de "comfort-food"; falo de feijoada, carne estufada, cordeiro assado, sopa com feijão e vegetais e tantos outros, tão simples, mas com produtos de qualidade e, na maior parte das vezes, colhidos ou criados em casa. Mas não, nunca foram, nem a minha avó materna, nem a minha avó paterna, grandes doceiras, e que pena que eu tenho! Já pelo contrário, a minha mãe todas as semanas preparava (pelo menos) uma sobremesa, e como eu gostava  de a ajudar!
Portanto, estes pequenos pudins que hoje vos trago são da avó da Inés do belíssimo blog Les Petites Choses du Dimanche.
São apenas necessários três ingredientes, e preparam-se num instante! O mais difícil é mesmo termos que aguardar que repousem no frio durante algumas horas para podermos desfrutar de uma ou várias colheradas.

Ah, estes pudinzinhos prometem adoçar e tornar ainda mais bonita a vossa mesa de Páscoa! 
Aproveito para vos contar que no outro dia fui às compras ao Continente e acabei por me apaixonar pelos coelhinhos, galinha e talheres que aparecem na foto, são todos da KASA. Bem, trouxe também mais uns pratinhos, um avental e uns paninhos... que culpa tenho eu de ter nascido com bom gosto?  🤣

INGREDIENTES
5 ovos (preferentemente biológicos)
750 ml de leite gordo ou meio gordo
10 colheres de sopa de açúcar
200 gramas para o caramelo

PREPARAÇÃO
Ligue o forno nos 170º e coloque na prateleira do meio, um tabuleiro com cerca de 2 cm de água.
Coloque 200 gramas de açúcar juntamente com 50 ml de água num tacho pequenino ou frigideira e leve a lume médio. Resista-se à tentação de misturar com a colher de pau!
Vá agitando o tacho, até que a mistura se transforme num caramelo de cor âmbar.
Distribua por 6 a 8 formas de pudim individuais ou frasquinhos de vidro resistentes ao calor.
Numa taça, bata ligeiramente os ovos.
Adicione o açúcar e o leite e misture bem, mas evitando a formação de espuma.
Distribua pelas formas/frascos e leve ao forno, no tabuleiro com água, durante cerca de 30 minutos.
Para saber se os pudins estão cozidos, espete um palito ou uma faca afiada, que deverá sair limpa.
Quando estiverem cozidos, retire os pudins do forno, deixe arrefecer ligeiramente e reserve no frigorífico durante, pelo menos, duas horas antes de servir.

DICAS
Se for muito guloso, regue os pudins com mais caramelo!
Pode aromatizar os pudins com um pouco de raspa de limão ou laranja, bem como as sementes de meia vagem de baunilha.




Carne | Feijão | e a falta de tempo


Há semanas que voam! Dias que passam a voar e não me deixam tempo para fazer tudo aquilo que tinha planeado; e como consequência acabo por não gastar os ingredientes que tinha comprado para esta ou aquela receita... Mas como não sou fã de deitar comida fora, tento sempre dar-lhe uso; foi o caso de uma carne picada e cogumelos que havia comprado para preparar umas empadas - que ficaram na gaveta/mente. Como tal, ontem dei uma volta ao frigorífico e, enquanto arrumava a cozinha, preparei o almoço de hoje:

INGREDIENTES
400 gramas de carne picada
200 gramas de cogumelos
1 alho francês cortado em rodelas
1 cenoura grande cortada em meias luas
2 dentes de alho
1 folha de louro
1/2 copo de vinho branco
200 gramas de polpa de tomate
200 gramas de feijão branco cozido
Azeite q.b
Sal e pimenta a gosto
Salsa fresca a gosto

PREPARAÇÃO
Aqueça uma frigideira. Adicione um fio generoso de azeite.
Adicione o alho francês e os alhos laminados e a folha de louro e deixe refogar ligeiramente.
Adicione a carne, misture bem e deixe cozinhar por 5 minutos.
Adicione os cogumelos e a cenoura.
Tempere com sal e pimenta e deixe cozinhar por mais 5 minutos.
Adicione o vinho, misture e deixe evaporar.
Adicione a polpa de tomate e um pouco de água; misture e deixe cozinhar, sem tampa, por cerca de 15 minutos.
Adicione o feijão, rectifique os temperos e sirva salpicado com salsa fresca picada.



Pickles de couve roxa


A couve roxa é daqueles vegetais/ingredientes que transformam qualquer salada num festival de cor; é crocante, colorida e deliciosa!  
Experimente conservá-la desta forma: irá surpreender até os mais pequenos e, ao ser avinagrada, dispensa a adição de vinagre extra nas suas saladas.
Mas não se fique por estes ingredientes; experimente com cenoura, couve-flor ou cebolinhas;  utilize também as suas especiarias e condimentos preferidos: use e abuse de pimenta em grão, cravando, malagueta, louro...

INGREDIENTES
700 gramas de couve roxa (aproximadamente 1/4)
500 ml de vinagre
500 ml de água
1 colher de sopa de pimenta em grão
2 colheres de sopa de açúcar

PREPARAÇÃO
Corte a couve em tiras fininhas, com cerca de 2 a 3 mm de espessura. Reserve.
Num tacho, coloque a água, o vinagre, o açúcar e a pimenta. Leve ao lume até levantar fervura.
Assim que o açúcar estiver dissolvido, retire do lume.
Coloque a couve em frascos esterilizados; faça alguma pressão com uma colher, pois perderá volume.
Acabe de preencher os frascos com o preparado de vinagre ainda quente. 
Tape de imediato e volte os frascos com a tampa para baixo, até que arrefeçam por completo.
Conserve num local fresco e escuro e, depois de abrir um frasco, mantenha-o no frigorífico e consuma no prazo de 7 a 10 dias.

DICAS
Para prolongar a duração deste tipo de conservas, feche bem os frascos, coloque-os numa panela e cubra com água.
Faça ferver durante cerca de 20 minutos e deixe arrefecer completamente dentro da panela.