Doce de abóbora | a felicidade dentro de um frasco


Às vezes dou por mim a pedir ao tempo que pare um bocado e que me deixe desfrutar mais dos pequenos prazeres da vida, mas ele insiste em correr aceleradamente, sem quase me deixar respirar, para trabalhar, trabalhar e trabalhar ainda mais um bocado. A sorte é que o meu trabalho é aquilo que mais feliz me faz: faço o que gosto; que privilégio! Cozinho, fotografo, ensino, comunico (sim, apesar de um pouco envergonhado, às vezes chego a ser muito fala-barato); Estou rodeado de gente que me quer e a quem eu quero. Sinto pena, às vezes, por não lhes poder dedicar mais um bocadinho daquele meu tempo que se escapa por entre os dedos, sem sequer me deixar tentar agarrá-lo, e mostrar que, apesar de não ser das pessoas mais beijoqueiras, o afeto, admiração e gratidão estão lá, bem presentes naquele músculo sob forma de folha de trevo.
Por isso, sempre que posso, guardo um bocadinho dessa felicidade em pequenos frascos, bem fechados, para que o "doce" perdure por muito tempo, coisa que não acontece com esta receita que hoje vos trago, pois com alguns amigos desaparece num instante!

INGREDIENTES
1,2 kg de abóbora descascada e sem pevides
400 gramas de açúcar branco
400 gramas de açúcar amarelo
2 paus de canela
1 laranja
1 chávena de nozes

PREPARAÇÃO
Corte a abóbora em pedaços não muito grandes para uma panela ampla.
Adicione a raspa e sumo da laranja e o açúcar.
Misture com uma colher de pau e deixe a repousar durante cerca de meia hora.
Coloque a panela em fogo médio e deixe cozinhar por cerca de uma hora, mexendo de vez em quando. Quando o doce fizer ponto de estrada (mergulhe uma colher de sopa no doce; passe o dedo e, se este ficar separado), está pronto.
Se pretender uma compota mais suave pode, neste passo, triturar com a varinha mágica.
Adicione as nozes e envolva.
Retire os paus de canela e distribua por frascos esterilizados, enchendo-os quase até ao bordo. Tape bem e deixe arrefecer voltados para baixo para criar vácuo.


NA YÄMMI 
Coloque metade da abóbora e do açúcar no copo. Pulse a função triturar. Retire do copo e reserve.
Coloque a abóbora e açúcar restantes e repita a operação.
Adicione a abóbora reservada, o sumo e a raspa de laranja e deixe repousar por 30 minutos.
Programe 70 minutos a 120º na velocidade 2 inversa. A meio do tempo substitua o copo de medida pelo cesto de vapor.
Retire os paus de canela e, se pretender uma compota mais suave pode, neste passo, triture 30 segundos na velocidade 3.
Adicione as nozes e envolva mais 5 segundos na velocidade 3
Distribua por frascos esterilizados, enchendo-os quase até ao bordo. Tape bem e deixe arrefecer voltados para baixo para criar vácuo.




Caril fácil de frango


Há coisas que nunca faltam na minha cozinha além dos básicos tradicionais como azeite, sal, especiarias ou conservas; mas também nunca falta um frasquinho com mistura para caril: não é a mesma coisa que um caril preparado de raíz, mas o sabor reconforta igualmente e é bem mais rápido de preparar. Em cerca de meia hora temos um prato delicioso, apurado e tão reconfortante na mesa. Para acompanhar? Basta um pouco de arroz basmati, simplesmente fervido em água temperada com um pouco de sal.

INGREDIENTES (para 4 pessoas)
3 peitos de frango médios
1 cebola grande
1 pimento laranja ou vermelho
1 curgete
1 maçã
1 ramo de coentros
1 colher de sopa de caril em pó
1 lata de leite de coco com cerca de 400 ml
1 copo de vinho branco
2 colheres de sopa de polpa de tomate
1 malagueta fresca
Azeite q.b
Sal e pimenta q.b

PREPARAÇÃO
Corte o frango em cubos ou tiras  com cerca de 2 cm. Reserve.
Aqueça uma panela de ferro. Adicione um fio de azeite e a cebola picada grosseiramente. Deixe refogar ligeiramente.
Adicione o caril em pó e o vinho branco. Misture e deixe evaporar o álcool.
Adicione a curgete, a maçã e o pimento cortados em cubos pequenos. Misture bem e deixe cozinhar por cerca de 5 minutos.
Adicione a polpa de tomate, o leite de coco e o frango. Tempere com sal, pimenta e a malagueta fresca cortada em rodelas. Tape a panela e deixe cozinhar por cerca de 20 a 30 minutos.
Retifique os temperos e sirva bem quente, salpicado com coentros frescos e acompanhado de arroz basmati.
Ficou fã da caçarola em ferro fundido da STAUB? Aproveite para ficar com uma para si, ou qualquer outro produto do grupo Zwilling, com os descontos loucos do Black Friday, são 30% de desconto sobre os preços marcados em compras online.






Quiche de espargos e requeijão

Uma receita ideal para refeições sem tempo, ou levar na marmita, mas também para desfrutar numa mesa rodeada de amigos e família, como entrada.

INGREDIENTES para a massa:
150 gramas de farinha sem fermento;
75 gramas de manteiga fria cortada em cubos;
40 ml de água;
1/2 colher de café de sal.
INGREDIENTES para o recheio:
 4 ovos;
 100 ml de leite;
 100 gramas de requeijão de mistura Tété;
 12 a 16 espargos;
 Sal e pimenta q.b.

PREPARAÇÃO:
Comece por preparar a massa, misturando num recipiente a farinha, a manteiga e o sal.
Trabalhe com as pontas dos dedos até obter uma mistura esfarelada.

Adicione a água e amasse até obter uma massa homogénea e que se despegue das mãos.
Pode optar por fazer este processo no robot de cozinha.
Estenda a massa até obter um rectângulo ou círculo, dependendo da forma que utilizar, respeitando uma margem de 2 a 3 cm de cada lado para os laterais da forma.

Forre a forma com a massa e pique-a com a ajuda de um garfo. Sobreponha uma folha de papel vegetal e encha com feijão ou grão seco.
Leve ao forno pré-aquecido a 200º durante 10 minutos.
Retire a forma do forno e prepare o recheio.

Bata os ovos com o leite e tempere com sal e pimenta.
Verta o preparado anterior na forma e decore com pedaços de requeijão de mistura Tété e os espargos.

Leve ao forno durante 20 a 30 minutos, até que a quiche fique bem dourada.
Deixe arrefecer ligeiramente antes de desenformar.
 
DICAS
  • Para este tipo de receitas utilizo espargos finos, semelhantes aos silvestres. Se não conseguir arranjar, corte os espargos mais grossos ao meio na longitudinal, ou escalde-os antes de os colocar na quiche.
  •  Pode preparar a massa com alguma antecedência e reservá-la no frigorífico até ao momento da sua utilização.

Pão tigre


É crocante, bonito e irresistível quando comido simples ou com uma fatia (ou duas) de queijo. A sua crosta faz lembrar o padrão de um leopardo, mas quem lhe dá o nome é o seu parente felino tigre.

INGREDIENTES
Para a massa:
550 gramas de farinha tipo 65 s/fermento
320 ml de água morna
16 gramas de fermento fresco de padeiro
10 gramas de sal
2 c. sopa de açúcar
2 c. sopa de azeite
1 c. sopa de leite em pó

Para a cobertura:
120 ml de água morna
100 gramas de farinha de arroz
1 c. sopa de óleo
1 c. sopa de açúcar
4 gramas de fermento biológico seco

PREPARAÇÃO
Comece por tratar da massa:
Coloque a farinha num recipiente. Adicione o fermento esfarelado, o açúcar, o azeite, o leite em pó e a água, reservando um pouco.
Misture com uma colher de pau.
Transfira a mistura para uma bancada de cozinha limpa. Adicione o sal e amasse, com as mãos, durante alguns minutos, até a massa se descolar das mãos e da bancada. Caso necessário, adicione mais um pouco de água.
Forme uma bola com a massa e coloque-a num recipiente untado com um pouco de óleo. Tape com película aderente ou com um pano e deixe levedar durante uma a duas horas, até duplicar o volume inicial.
Entretanto, prepare a cobertura, misturando todos os ingredientes. Reserve.
Passado este tempo,  coloque a massa novamente na bancada de cozinha, espalme com as mãos para remover o gás e divida em porções com cerca de 80 gramas.
Dê a forma de bolas às porções da massa e disponha-as, espaçadas, num tabuleiro grande forrado com papel vegetal.
Ligue o forno nos 220º.
Barre os pães com a cobertura ajudando-se de um pincel e deixe repousar durante mais meia hora.
Coloque o tabuleiro no forno e, passados 5 minutos, reduza a temperatura para os 200º. Deixe cozinhar por mais cerca de 20 minutos.
Depois de cozidos, retire os pães do forno e deixe arrefecer um pouco em cima de uma rede.








Gaufres de Liège


São leves, crocantes e tão viciantes! Nunca visitei Liège, mas tenho a certeza que com estas gaufres consigo imaginar o cheirinho que se sente naquela cidade.

INGREDIENTES | Receita da MJ
250 gramas de farinha de trigo tipo 55
100 ml de leite morno
35 g de açúcar mascavado
1 ovo médio
10 g de fermento fresco de padeiro ou 3 gramas de fermento biológico seco
150 g de manteiga a temperatura ambiente
115 g de sucre perlé*
1/2 colher de café de sal fino

PREPARAÇÃO
Dissolva o fermento no leite morno. Reserve.
Na taça da batedeira com o acessório misture (tipo gancho ou espiral nas batedeiras de mão), coloque a farinha, o açúcar mascavado, o sal e o ovo.
Adicione o leite e amasse até integrar.
Adicione a manteiga e volte a amassar até esta estar completamente incorporada na massa. Tape com película aderente e deixe levedar até duplicar o volume inicial, o que deverá tardar entre uma a duas horas.
Assim que a massa tiver levedado, misture  com a ajuda de uma colher de pau para retirar o gás. Adicione o sucre perlé e misture bem. 
Forme pequenas porções de massa, em função do tamanho da sua máquina. No meu caso, deu 12 porções. Tenha em atenção que os gaufres expandem ao cozinhar, pelo que não devem ocupar todo o molde. Deixe repousar mais meia hora.
Ligue a máquina para gaufres  na temperatura média e cozinhe cada porção durante cerca de 4 minutos, até que fique dourada e os pedaços de açúcar visíveis do exterior caramelizem. Retire com cuidado para não se queimar e deixe arrefecer um pouco antes de servir. À medida que arrefecem, as gaufres ficam ainda mais crocantes, pois o açúcar volta a cristalizar.
Sirva as gaufres assim simples, ou cobertas de fruta fresca e polvilhadas com um pouco de açúcar em pó. No caso de ser muito guloso, não hesite em regá-las com uma deliciosa ganache ou creme de chocolate.

DICAS
  • O sucre perlé não são as pérolas de açúcar que se utilizam para decorar os bolos, mas sim pedaços de açúcar cristalizado, tipo umas pequenas pedras e pode encontrá-lo em lojas da especialidade. Costumo pedir a amigos que vivem em França que me enviem alguns "pacotinhos" ;)
  • Para acelerar o processo de fermentação, ligue o forno nos 50º com um copo de água lá dentro. Desligue e coloque o recipiente com a massa, bem tapado com um pano.






Bolo de limão do Mini

Dizem que quem sai aos seus não degenera, e este ditado aplica-se a 100% ao Mini da Isabel do Aliter Dulcia. O seu mini pasteleiro tem um dom para fazer bolos, e partilhou nas redes a receita do bolo de limão infalível: é simples, rápido de fazer, super esponjoso e delicioso! E eu não consegui resistir. Como o bolo é tão bom, não hesitei em trazer-vos a receita.

INGREDIENTES
3 ovos
300 gramas de açúcar
225 gramas de farinha tipo 55
125 gramas de manteiga
225 ml de leite gordo
1 c. de chá de fermento
1 limão
Q.b açúcar em pó

PREPARAÇÃO
Pré-aqueça o forno nos 170º.
Peneire a farinha juntamente com o fermento e reserve.
Bata os ovos juntamente com o açúcar e a raspa da casca de limão até obter um creme volumoso e esbranquiçado.
Entretanto, aqueça o leite juntamente com a manteiga e, quando estiver quase a ferver, retire do lume e misture com a ajuda de umas varas de arame.
Volte a bater a mistura dos ovos e açúcar e, sem parar de bater, verta o leite quente. Bata até dissolver.
Adicione a farinha peneirada com o fermento, e bata até integrar bem, mas não demasiado.
Verta a massa numa forma tipo bolo inglês untada com manteiga e polvilhada com farinha.
Leve ao forno durante cerca de 40 minutos. Faça o teste do palito.
Desenforme ainda quente. Deixe arrefecer cerca de 5 minutos.
Pique o bolo com um palito ou com a ponta de uma faca afiada e regue com o sumo de limão.
Antes de servir, polvilhe com um pouco de açúcar em pó.


Forma Citrus Loaf disponível AQUI