Uma receita ideal para refeições sem tempo, ou levar na marmita, mas também para desfrutar numa mesa rodeada de amigos e família, como entrada.

INGREDIENTES para a massa:
150 gramas de farinha sem fermento;
75 gramas de manteiga fria cortada em cubos;
40 ml de água;
1/2 colher de café de sal.
INGREDIENTES para o recheio:
 4 ovos;
 100 ml de leite;
 100 gramas de requeijão de mistura Tété;
 12 a 16 espargos;
 Sal e pimenta q.b.

PREPARAÇÃO:
Comece por preparar a massa, misturando num recipiente a farinha, a manteiga e o sal.
Trabalhe com as pontas dos dedos até obter uma mistura esfarelada.

Adicione a água e amasse até obter uma massa homogénea e que se despegue das mãos.
Pode optar por fazer este processo no robot de cozinha.
Estenda a massa até obter um rectângulo ou círculo, dependendo da forma que utilizar, respeitando uma margem de 2 a 3 cm de cada lado para os laterais da forma.

Forre a forma com a massa e pique-a com a ajuda de um garfo. Sobreponha uma folha de papel vegetal e encha com feijão ou grão seco.
Leve ao forno pré-aquecido a 200º durante 10 minutos.
Retire a forma do forno e prepare o recheio.

Bata os ovos com o leite e tempere com sal e pimenta.
Verta o preparado anterior na forma e decore com pedaços de requeijão de mistura Tété e os espargos.

Leve ao forno durante 20 a 30 minutos, até que a quiche fique bem dourada.
Deixe arrefecer ligeiramente antes de desenformar.
 
DICAS
  • Para este tipo de receitas utilizo espargos finos, semelhantes aos silvestres. Se não conseguir arranjar, corte os espargos mais grossos ao meio na longitudinal, ou escalde-os antes de os colocar na quiche.
  •  Pode preparar a massa com alguma antecedência e reservá-la no frigorífico até ao momento da sua utilização.


É crocante, bonito e irresistível quando comido simples ou com uma fatia (ou duas) de queijo. A sua crosta faz lembrar o padrão de um leopardo, mas quem lhe dá o nome é o seu parente felino tigre.

INGREDIENTES
Para a massa:
550 gramas de farinha tipo 65 s/fermento
320 ml de água morna
16 gramas de fermento fresco de padeiro
10 gramas de sal
2 c. sopa de açúcar
2 c. sopa de azeite
1 c. sopa de leite em pó

Para a cobertura:
120 ml de água morna
100 gramas de farinha de arroz
1 c. sopa de óleo
1 c. sopa de açúcar
4 gramas de fermento biológico seco

PREPARAÇÃO
Comece por tratar da massa:
Coloque a farinha num recipiente. Adicione o fermento esfarelado, o açúcar, o azeite, o leite em pó e a água, reservando um pouco.
Misture com uma colher de pau.
Transfira a mistura para uma bancada de cozinha limpa. Adicione o sal e amasse, com as mãos, durante alguns minutos, até a massa se descolar das mãos e da bancada. Caso necessário, adicione mais um pouco de água.
Forme uma bola com a massa e coloque-a num recipiente untado com um pouco de óleo. Tape com película aderente ou com um pano e deixe levedar durante uma a duas horas, até duplicar o volume inicial.
Entretanto, prepare a cobertura, misturando todos os ingredientes. Reserve.
Passado este tempo,  coloque a massa novamente na bancada de cozinha, espalme com as mãos para remover o gás e divida em porções com cerca de 80 gramas.
Dê a forma de bolas às porções da massa e disponha-as, espaçadas, num tabuleiro grande forrado com papel vegetal.
Ligue o forno nos 220º.
Barre os pães com a cobertura ajudando-se de um pincel e deixe repousar durante mais meia hora.
Coloque o tabuleiro no forno e, passados 5 minutos, reduza a temperatura para os 200º. Deixe cozinhar por mais cerca de 20 minutos.
Depois de cozidos, retire os pães do forno e deixe arrefecer um pouco em cima de uma rede.









São leves, crocantes e tão viciantes! Nunca visitei Liège, mas tenho a certeza que com estas gaufres consigo imaginar o cheirinho que se sente naquela cidade.

INGREDIENTES | Receita da MJ
250 gramas de farinha de trigo tipo 55
100 ml de leite morno
35 g de açúcar mascavado
1 ovo médio
10 g de fermento fresco de padeiro ou 3 gramas de fermento biológico seco
150 g de manteiga a temperatura ambiente
115 g de sucre perlé*
1/2 colher de café de sal fino

PREPARAÇÃO
Dissolva o fermento no leite morno. Reserve.
Na taça da batedeira com o acessório misture (tipo gancho ou espiral nas batedeiras de mão), coloque a farinha, o açúcar mascavado, o sal e o ovo.
Adicione o leite e amasse até integrar.
Adicione a manteiga e volte a amassar até esta estar completamente incorporada na massa. Tape com película aderente e deixe levedar até duplicar o volume inicial, o que deverá tardar entre uma a duas horas.
Assim que a massa tiver levedado, misture  com a ajuda de uma colher de pau para retirar o gás. Adicione o sucre perlé e misture bem. 
Forme pequenas porções de massa, em função do tamanho da sua máquina. No meu caso, deu 12 porções. Tenha em atenção que os gaufres expandem ao cozinhar, pelo que não devem ocupar todo o molde. Deixe repousar mais meia hora.
Ligue a máquina para gaufres  na temperatura média e cozinhe cada porção durante cerca de 4 minutos, até que fique dourada e os pedaços de açúcar visíveis do exterior caramelizem. Retire com cuidado para não se queimar e deixe arrefecer um pouco antes de servir. À medida que arrefecem, as gaufres ficam ainda mais crocantes, pois o açúcar volta a cristalizar.
Sirva as gaufres assim simples, ou cobertas de fruta fresca e polvilhadas com um pouco de açúcar em pó. No caso de ser muito guloso, não hesite em regá-las com uma deliciosa ganache ou creme de chocolate.

DICAS
  • O sucre perlé não são as pérolas de açúcar que se utilizam para decorar os bolos, mas sim pedaços de açúcar cristalizado, tipo umas pequenas pedras e pode encontrá-lo em lojas da especialidade. Costumo pedir a amigos que vivem em França que me enviem alguns "pacotinhos" ;)
  • Para acelerar o processo de fermentação, ligue o forno nos 50º com um copo de água lá dentro. Desligue e coloque o recipiente com a massa, bem tapado com um pano.






Dizem que quem sai aos seus não degenera, e este ditado aplica-se a 100% ao Mini da Isabel do Aliter Dulcia. O seu mini pasteleiro tem um dom para fazer bolos, e partilhou nas redes a receita do bolo de limão infalível: é simples, rápido de fazer, super esponjoso e delicioso! E eu não consegui resistir. Como o bolo é tão bom, não hesitei em trazer-vos a receita.

INGREDIENTES
3 ovos
300 gramas de açúcar
225 gramas de farinha tipo 55
125 gramas de manteiga
225 ml de leite gordo
1 c. de chá de fermento
1 limão
Q.b açúcar em pó

PREPARAÇÃO
Pré-aqueça o forno nos 170º.
Peneire a farinha juntamente com o fermento e reserve.
Bata os ovos juntamente com o açúcar e a raspa da casca de limão até obter um creme volumoso e esbranquiçado.
Entretanto, aqueça o leite juntamente com a manteiga e, quando estiver quase a ferver, retire do lume e misture com a ajuda de umas varas de arame.
Volte a bater a mistura dos ovos e açúcar e, sem parar de bater, verta o leite quente. Bata até dissolver.
Adicione a farinha peneirada com o fermento, e bata até integrar bem, mas não demasiado.
Verta a massa numa forma tipo bolo inglês untada com manteiga e polvilhada com farinha.
Leve ao forno durante cerca de 40 minutos. Faça o teste do palito.
Desenforme ainda quente. Deixe arrefecer cerca de 5 minutos.
Pique o bolo com um palito ou com a ponta de uma faca afiada e regue com o sumo de limão.
Antes de servir, polvilhe com um pouco de açúcar em pó.


Forma Citrus Loaf disponível AQUI


Hoje celebra-se o National Bundt Cake Day 2016, e tenho a certeza que as redes sociais serão inundadas com fotos e receitas de deliciosos bolos feitos nas formas que lhe dão o nome característico.
A minha sugestão, que já foi preparada há alguns dias, resultou de uma pesquisa na internet para aproveitar puré de abóbora que me tinha sobrado de outra preparação.
O resultada não poderia ter sido melhor: consegui um bolo húmido, fofo, carregado de sabores e aromas que, inevitavelmente, me fizeram recordar os doces do tão próximo Natal.
Recordo-vos que podem adquirir as belas formas Nordic Ware e utensílios que possam necessitar aqui. O envio é grátis em compras de valor igual ou superior a 40€ e recebem-nas em vossas casas num prazo médio de 24/48 horas.


Embora se trate de um prato pouco requintado, por ser preparado com um corte menos nobre da vitela, o ossobuco consegue transportar-me até à cozinha de campo da minha avó, daquelas onde o fumo se encarregava de revestir as paredes de um negro aveludado (quem diria que hoje se pintam as paredes da mesma cor, até ela se iria rir, se visse alguma destas modernices), onde tudo era preparado à lareira em fogo vivo. E não sei se gostava mais do cheirinho dos cozinhados nas suas panelas de ferro, ou do lume e do aroma do fumeiro que pairava a poucos metros da fonte de calor.
E este prato resume-se a isso: a calor, a família e a refeições preparadas sem  pressas e com todo o amor do mundo, o mesmo amor com que se desfruta, à mesa, onde não falta um pedaço de pão, um copo de vinho e umas gargalhadas.

INGREDIENTES (para 6 pessoas)
2 kg de ossobuco de vitela
2 cenouras médias cortadas às rodelas
2 cebolas grandes em meias luas
1 ramo generoso de salsa
1 colher de chá de pimenta preta em grão
1 alho francês às rodelas
200 gramas de cogumelo marron
750 ml de vinho tinto
Farinha q.b
Azeite q.b
Sal q.b

PREPARAÇÃO
Salpique o fundo de um recipiente amplo com um pouco de sal. Sobreponha algumas rodelas de ossobuco e volte a salpicar com sal.
Adicione metade da pimenta em grão, disponha metade da cebola, cenoura e alho francês e regue com metade do vinho.
Repita o processo e termine adicionando a salsa. Tape com película aderente e deixe a marinar, no frigorífico, durante duas a três horas ou, se preferir, de um dia para o outro.
Escorra o líquido da marinada e separe a carne dos vegetais.
Passe as rodelas de ossobuco pela farinha, sacuda o excesso e reserve.
Aqueça uma panela. Cubra o fundo com azeite e frite a carne, dos dois lados, até ficar dourada.
Repita este processo duas ou três vezes, evitando cobrir a superfície da panela na totalidade.
Quando todas as rodelas estiverem coradas, coloque-as de parte.
Adicione à gordura residual na panela as verduras (alho francês, cebola e salsa), e deixe refogar durante alguns minutos.
Adicione a carne e o líquido da marinada. Tape e deixe cozinhar em lume brando durante cerca de duas horas, misturando de vez em quando.
Assim que a carne estiver quase cozida, adicione os cogumelos e deixe terminar de cozinhar sem a tampa. Retifique de sal e sirva esta delícia com puré de batata doce e algumas cenouras grelhadas.





Contact

© Faz e Come
Design by The Basic Page